Colunistas
Publicado em 16 d Novembro d 2010

Tosse dos Canis

por Fabio Oberdan Capuani

Você já deve ter tido um animal com essa doença ou ouvido falar sobre tosse dos cães. Existem várias causas para que seu animal possa estar tossindo, que vão desde motivos mais simples até casos mais graves.
Explicarei sobre a traqueobronquite infecciosa canina, também conhecida como tosse dos canis, pelo fato de ser comum a locais que possuem alta população de cães. Essa doença é altamente contagiosa, ou seja, passa de cão para outro, com muita facilidade através de bebedouros, comedouros, secreções entre outras formas. Normalmente é causada por uma associação de vírus e bactéria que acometem o sistema respiratório. Animais de qualquer idade podem adquirir esta doença, mas cães de 6 semanas a 6 meses de vida geralmente apresentam um quadro clínico mais grave, assim como, cães que já possuem alguma doença respiratória pré-existente.
Os sinais clínicos geralmente se desenvolvem entre 4 e 7 dias após exposição aos agentes causadores desta doença, e são: Tosse seca intermitente, seguida por ânsia de vômito ou expectoração de um muco branco espumoso, que freqüentemente piora após os exercícios. Os clientes muitas vezes reclamam que o cão está vomitando uma espuma branca. Em casos mais graves, o animal pode reduzir e até parar de se alimentar, apresentar febre, dificuldade respiratória, o animal reluta para realizar exercícios ficando mais quieto e evoluir para uma pneumonia.
Para prevenirmos esta doença, um dos fatores mais importante é a vacinação. Além disso, devemos evitar que o animal permaneça em locais aglomerados por outros animais, não utilizar comedouros e bebedouros comunitários, realizar uma boa desinfecção do local onde os animais vivem, separar animais por idade (em caso de canil, hotel, etc.)
Devemos lembrar que nem toda tosse é traqueobronquite. Animais com cinomose, com doenças cardíacas, doenças respiratórias (alergia, bronquite, pneumonia), que sofreram traumas (gases irritantes, ferimento em traquéia, corpos estranhos), que possuem parasitas internos e que apresentam neoplasias (tumores) podem apresentar tosse. Desta forma, não devemos medicar o animal sem a prescrição de um médico veterinário, pois ele é o profissional que deverá avaliar qual o real problema de seu animal.
Consulte regularmente um Médico Veterinário.


Publicado em 09 d Novembro d 2010

Tratamento com florais de Bach

por Fabio Oberdan Capuani

Atualmente venho utilizando a terapia complementar com Florais de Bach em nossos pacientes, e tenho obtido excelentes resultados em pouco tempo de tratamento.
Os florais começaram a ser desenvolvidos pelo Dr. Edward Bach em 1928 e hoje temos à disposição 39 essências para serem utilizadas em tratamento. Segundo os tibetanos, existe uma ligação direta entre a natureza essencial das plantas e nossa própria natureza essencial, e por isso, num nível inconsciente, podemos fazer contato com nossa essência por meio dessas plantas e, assim, restaurar a harmonia. As flores, portanto, têm uma função de cura vital.
Estes florais, tais como outras formas de medicina natural, exercem o seu efeito tratando o indivíduo e não a doenças e seus sintomas. Atuam especificamente no estado emocional. Assim dois animais com a mesma queixa, como ansiedade, por exemplo, poderão se beneficiar tomando florais bastante diferentes. Um animal poderá se sentir resignado a uma doença enquanto outro poderá estar impaciente com ela, por isso para cada caso teremos florais apropriados.
Animais e pessoas podem se beneficiar com os florais, pois eles trabalham estimulando o potencial de “auto-cura”, visando o positivismo e deixando o organismo livre para lutar contra doenças. Restauram o equilíbrio estabilizando o padrão vibracional. Segundo Bach, a causa real da doença é uma distorção no comprimento de ondas, no campo energético, que fica mais lento, exercendo um efeito que resulta em estados negativos como preocupação, ansiedade e impaciência. Esses estados esgotam a vitalidade e o corpo perde sua resistência natural ficando vulnerável a doenças.
Bom tudo isto parece um pouco vago não? Pois bem, cientificamente sabe-se que tudo no universo emite uma vibração. As flores também têm uma freqüência. Se você processa uma flor numa essência e ingere essa essência, seu corpo começa a vibrar nessa freqüência. Ela então começa a promover a sincronização das células, dos tecidos, e órgãos fazendo com que vibrem nesse nível, pois bem, com isso, restauraremos os padrões vibracionais.
Podemos fazer uso dos florais de várias formas, desde seu uso mais comum, em gotas que são dadas diretamente na boca até em forma de “spray”. Podemos tratar vários estados ou doenças como ansiedade, medo, intolerância, insegurança, agressividade, desatenção, esgotamento, enjôo, entre muito outros. Além de fazer uso em animais em período de hospedagem e internação, no pré e pós-cirúrgico, enfim, existem várias formas de os florais auxiliarem os animais e seus proprietários.
Os florais são terapias complementares, pois não substituem o tratamento convencional e sim somam “forças” visando o restabelecimento do paciente. Devemos ainda lembrar, que não são utilizados apenas em situações de doenças, mas como vimos acima, mantém o equilíbrio evitando-as.


Enquete

  Você é contra ou a favor do comércio em praças públicas?

A FAVOR
CONTRA

Última Edição

  Digite seu email abaixo para receber mensagens periodicamente com nossas últimas noticias:


Notícias por Data

Jornal O Atibaiense ©

Rua Deputado Emílio Justo, 280 - Nova Aclimação - Atibaia - SP - (11) 4413-0001