Publicado em 22 de Fevereiro de 2012

Momento Politico de Atibaia

.

SAÍDA DO PP
O PP (Partido Progressista) de Atibaia confirmou a saída da base do governo municipal, suporte do prefeito Dr. Denig. A decisão foi anunciada em reunião no último domingo, com 42 dos 45 membros do Diretório. O encontro, uma espécie de pré-convenção do partido.

DESDE 2011
Segundo Mauro Antunes, a decisão vem sendo maturada desde o ano passado. De fato, o comentário sobre o desligamento estava entre os tópicos mais citados nas conversas de bastidores nos últimos meses. A escolha deverá ser confirmada na convenção de junho. A decisão teria o aval da deputada Aline Corrêa, primeira vice-presidente nacional do PP.

COISAS SEPARADAS
Separar a eleição passada da nova eleição foi a justificativa dada pelo dirigente do PP para a medida tomada na pré-convenção. Foi citada também a queixa de que o PP estava isolado no Conselho Político do prefeito, ficando de fora das discussões, sendo desprestigiado pelas lideranças governamentais. Membros do PP se queixam de que são “meros executores”. A grande diferença política e pessoal do PP é em relação ao vice-prefeito Ricardo dos Santos Antonio (PT) e ao secretário-adjunto de Trânsito, Nazareno Piniano, que é casado com a vereadora Gina (PDT).

RESULTADOS RECENTES
Nos bastidores da política, as análises matemáticas ou com ares aritméticos são bastante comuns. Nas eleições municipais de 2008, com 14 candidatos, o PP fez dois vereadores - Baixinho Barbeiro e Saulo do Gás (hoje no PSD, criado pelo prefeito paulistano Gilberto Kassab, e liderando a terceira via, ao lado do vereador Emil Ono) e obteve 7 mil votos. O vereador Baixinho Barbeiro continuará votando a favor dos projetos do prefeito Dr. Denig, cumprindo o compromisso assumido na eleição passada.

UMA FALA DIFÍCIL
A decisão do PP gerou desgaste interno, entre os ocupantes de cargos de confiança e principalmente para o vereador Baixinho Barbeiro. Na sessão de Câmara da última segunda-feira, 13 de fevereiro, ele se manifestou, como líder do partido no Legislativo: “O partido, em decisão quase unânime, decidiu sair da situação para a oposição. Eles não acreditam que o prefeito Dr. Denig será candidato à reeleição. Como vereador, tenho compromisso com o governo e vou cumpri-lo até o final do mandato”.

PRECIPITAÇÃO OU NÃO?
A saída do PP foi interpretada como ousada ou precipitada nos meios políticos. Muitos garantem que os dirigentes do partido têm “cartas na manga”, o que justificaria a atitude. Os progressistas aclamaram o nome do empresário Sérgio Mantovaninni, mais cotado da oposição para concorrer à cadeira de prefeito nas eleições de outubro de 2012, mas houve de fato uma conversa anterior? Até o momento, Mantovaninni, que foi candidato a prefeito em 2008, nem confirmou sua pré-candidatura.

NOME POR NOME
O deputado estadual Beto Trícoli e o grupo de Denig devem estar examinando nome por nome do PP, antes de qualquer atitude. A princípio, uma boa estratégia é ficar com os pré-candidatos no governo, podendo pressioná-los depois para uma definição de apoio, mais perto da campanha, e mandar embora aqueles mais técnicos ou descompromissados com a eleição.

CONVERSA DETALHADA
Aparentemente, a saída do PP reforça a oposição. Mas, entre os oposicionistas há quem esteja esperando uma conversa mais detalhada. As direções do DEM, PP, PSL e PSDB podem se sentar em torno de Sérgio Mantovaninni e anunciar uma decisão comum, de caminharem juntos na direção das urnas.

VOLTA DE UM NOME
Enquanto não há uma definição, o nome da situação é motivo de muita especulação. Fala-se que o vice-prefeito Ricardo dos Santos Antonio esta articulando sua candidatura a chefe do Executivo. Fala-se também na volta de um nome, o do ex-vereador e empresário Luiz Fernando Pugliesi, que teria o apoio do deputado Beto Trícoli. Fernanda Trícoli é outro nome lembrado para retomar o fôlego da situação.

VONTADE POPULAR
Repercutiu bastante nas redes sociais como o Facebook a decisão do STF sobre a Lei da Ficha Limpa. A decisão também foi elogiada na quinta-feira por parlamentares, na Câmara dos Deputados, em Brasília. Para eles, a Corte reconhece o desejo da sociedade de limpar a vida política. Por 7 votos a 4, os ministros do STF decidiram que as regras já valem para as eleições municipais de outubro deste ano. Segundo a lei, políticos condenados pela Justiça em decisões colegiadas ou que renunciaram a cargos para fugir da cassação ficam proibidos de concorrer a cargos eletivos por oito anos.

COMBATE À CORRUPÇÃO
Presidente da Frente Parlamentar Mista de Combate à Corrupção, o deputado Francisco Praciano (PT-AM) destacou o voto da ministra Rosa Weber, para quem “o cidadão que quer representar a população tem de ser diferenciado e, portanto, a Justiça deve ser mais rígida com ele”. “A Lei da Ficha Limpa é um aprimoramento do Estado brasileiro. É um ‘não’ aos currículos e comportamentos inadequados à representação popular e, portanto, uma qualificação da democracia brasileira”, afirmou.

PAPEL POLÍTICO
Para o deputado Fábio Trad (PMDB-MS), a decisão do STF redimensiona a importância do papel político do cidadão na sociedade. “Política não é ocupação daqueles que querem tirar proveito material dela. É vocação, missão daqueles que estão embalados por ideais elevados”, disse. Fábio Trad e o líder do Psol, deputado Chico Alencar (RJ), chamaram a atenção para a importância de os partidos selecionarem melhor seus candidatos. Mas destacaram que só a escolha consciente do eleitor pode garantir uma política ficha limpa.

SISTEMA ELEITORAL
Para o cardeal Raymundo Damasceno, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, uma das entidades que promoveu a proposta de iniciativa popular, a entrada em vigor da Ficha Limpa é um passo para a melhoria do sistema eleitoral, que não dispensa outros aprimoramentos. “É fundamental que nós tenhamos cada vez mais representantes idôneos, capazes, qualificados”, afirmou. Representante do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral e também um dos idealizadores da proposta, o juiz Marlon Reis explica que o STF decidiu basicamente duas questões: se a lei poderia barrar alguém por fatos ocorridos no passado e se ela não feria a presunção de inocência.

ESCLARECIMENTO I
Sobre a foto-legenda na capa sob o título “flagrantes da cidade” , que veicula fototografia de viatura da STT supostamente estacionada em frente à uma guia rebaixada, esclarecemos que: trata-se de rebaixamento em frente ao restaurante ‘VILA’, na Aparecido Leite, travessa da Al. Lucas Nogueira, antes utilizado para entrada e saída de veículo de garagem que não existe mais. Também inexiste demarcação de solo ou sinalização vertical de vaga reservada, fato é que todo os dias, veículos sem credencial estacionam na vaga, já que inexiste indicação de reserva de vaga.

ESCLARECIMENTO II
Se não há acesso especial, não seria o caso de providenciar um? O restaurante tem grande movimento e uma vaga demarcada, na guia já rebaixada, seria um benefício aos que têm dificuldade de locomoção. Afinal, são poucas as opções de estacionamento especial na Lucas.

111 ANOS
Ontem, dia 17, o jornal O Atibaiense completou 111 anos de vida. Recebemos muitas manifestações de carinho, em especial do prefeito de Atibaia, Dr. Denig, do vice-prefeito professor Ricardo dos Santos, da Secretaria de Comunicação de Prefeitura, da secretária de Comunicação da Prefeitura, Adriana Leclerc, do secretário de Infraestrutura, Ismael Dentinho, do deputado estadual Beto Tricoli e sua assessoria e da jornalista Thais Otoni.

Deixe seu comentário

Para postar um comentário, você precisa de uma conta.
Faça login
ou
Registre-se

Enquete

  Paralelepípedos das ruas centrais de Atibaia deveriam ser substutuídas por asfalto?

SIM
NÃO

Última Edição

  Digite seu email abaixo para receber mensagens periodicamente com nossas últimas noticias:


Notícias por Data

Jornal O Atibaiense © 2010

Rua Deputado Emilio Justo, 280 - Nova Aclimação - Atibaia - SP - (11) 4413-0001