Publicado em 11 d Agosto d 2010

Transplante de órgãos cresceu 16% no primeiro semestre

Foram 2.367 cirurgias no primeiro semestre de 2010. Índice de doadores efetivos no semestre atinge novo patamar histórico

Levantamento do Ministério da Saúde aponta que o número de transplantes de órgãos no Brasil cresceu 16,4% no primeiro semestre de 2010 em relação ao mesmo período do ano passado. De janeiro a junho deste ano, foram realizados 2.367 transplantes de órgãos de doador falecido. Nos primeiros seis meses de 2009, foram 2.033 cirurgias nesta modalidade contra 1.688 procedimentos realizados no primeiro semestre de 2008 pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
Os dados mostram um crescimento sustentado na quantidade de transplantes feitos no SUS, responsável por 90% de todos os procedimentos realizados no país de forma totalmente gratuita à população. Além dos transplantes, o número de doadores efetivos de órgãos também cresceu 17% no primeiro semestre de 2010. Em números absolutos são 963 doadores efetivos ou 10,06 doadores por milhão da população (ppm). No mesmo intervalo de 2009 foram 818 doadores efetivos ou 8,6 ppm. A taxa é recorde para o semestre e a expectativa é que seja consolidada para todo ano de 2010.
O secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Alberto Beltrame, credita os bons resultados do contínuo aprimoramento do Sistema Nacional de Transplantes (SNT) aos crescentes investimentos no SNT e à qualificação do processo de captação de órgãos. Com exceção do coração, todos os órgãos registraram aumento de transplantes. Entre as cirurgias, rim e de fígado tiveram o desempenho mais positivo. De janeiro a junho de 2010, foram realizados 1.486 transplantes de rim. No mesmo período do ano passado, foram 1.295, contra 994 no ano de 2008.
O número de cirurgias de transplante de fígado saiu de 492 no primeiro semestre de 2008, para 606 no mesmo período de 2009, e 663 neste ano. O SNT avaliou o desempenho comparativo da rede transplantadora de todos os estados, no primeiro semestre.
A capacitação dos profissionais de saúde, sobretudo do setor de terapia intensiva, também contribuiu para os avanços no número de doações e transplantes de órgãos no país, como explica o secretário Alberto Beltrame. “Estão sendo treinadas todas as Comissões Intra-Hospitalares de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante para a avaliação dos possíveis doadores de órgãos e entrevistas aos familiares. Isso possibilita o aumento do número de procedimentos”.
Outro fator que sustenta esse crescimento doações e transplantes no país, ano a ano, é a ampliação do investimento no setor. Entre 2003 e 2009, os recursos aplicados pelo Ministério da Saúde no SNT mais que triplicaram, passando de R$ 327,8 milhões (2003) para R$ 990,5 milhões (2009).
Também contribuem para o contínuo processo de aprimoramento do sistema a melhor remuneração dos procedimentos e exames inseridos na tabela do SUS e a conscientização sobre a importância da doação para a realização dos transplantes, não só da população como também dos profissionais de saúde envolvidos em todo o processo.

Deixe seu comentário

Para postar um comentário, você precisa de uma conta.
Faça login
ou
Registre-se

Enquete

  Você é contra ou a favor do comércio em praças públicas?

A FAVOR
CONTRA

Última Edição

  Digite seu email abaixo para receber mensagens periodicamente com nossas últimas noticias:


Notícias por Data

Jornal O Atibaiense ©

Rua Deputado Emílio Justo, 280 - Nova Aclimação - Atibaia - SP - (11) 4413-0001